o brasil dos vampiros psíquicos

Venho do futuro para dizer aos habitantes deste século que as coisas mudaram e que as coisas continuarão mudando.

Não gastei a viagem à toa. Pelos caminhos que levam para dentro do Brasil os nativos deixaram um pouco de tudo sob a poeira.

Sei por exemplo que ainda vigora o feitiço de um selvagem que para sempre amaldiçoou os invasores desta terra, e que a catiça foi braba o bastante pra ninguém percebê-la.

Ninguém sabe bem o que tem lá pra dentro do país. Nem índio, nem preto, nem europeu. A tinta vermelha que dá nome à pátria não aparece na bandeira.

Dizem que não aparecerá jamais.

Sei que até o ano de 2100 os grupos de compartilhamento de mensagem terão formado profundas galerias de arquivos a serem escavados e reescavados por inteligências artificiais eternamente dedicadas à fabricação de feiquinius, emaranhadas em grandes nodos de informação que se coligiram por vontade própria e agora são empregadas pelos comitês de engenharia ideológica espalhados no multiverso digital.

Continuar lendo

Anúncios

bolsonaro

Bolsonaro ouve John Coltrane.

Bolsonaro já brincou de passa-o-anel.

Bolsonaro já fez carinho em gatos.

O deputado Jair Messias Bolsonaro já riu assistindo o Pernalonga.

O Bolsonaro gosta de pimenta.

O Bolsonaro já mediu seu pinto com o de outro homem.

Bolsonaro jogava de volante.

Bolsonaro entra no banho primeiro com os pés e depois com o restante do corpo.

O candidato Jair Bolsonaro faz yoga.

Continuar lendo

o deus que existe

Alguns cientistas tântricos compartilham de uma mesma ideia segundo a qual a criação do cosmo é um adensamento de vontades que até então permaneciam contidas em um eterno estado de sutileza.

Assim, do Nada teria surgido alguma coisa, que é a Matéria – do não-manifesto ao manifestado. Da energia à matéria. Da matéria aos elementos do universo, a natureza, e os animais.

Muitos veem nisso um gesto da Grande Mente Cósmica feito na tentativa de entender a si mesma, produzindo a multiplicidade a partir da unidade.

Este gesto poderia ser descrito de forma circular. Noutras vezes já foi descrito como uma dança. O alcance mais extremo deste gesto é o ponto em que Deus se diferencia de si mesmo. Nesta diferenciação se amplia a distância entre o criador e a criatura, e, por meio dela, é dada à criatura a liberdade de se esquecer do criador, e, portanto, de sua origem divina. Após a ação criativa, há, ainda um movimento de retorno. O que se entende por um movimento de retorno, depois da culminação da multiplicação da vida, da qual resulta, por exemplo, a espécie humana, é uma vontade de regresso ao seio divino.

Continuar lendo

já temos tecnologia pra isso

Sou minha própria ciência e religião.

Coleciono gênios guardados em lâmpadas. Não sei quantos livros já deixei que me roubassem.

Temos tecnologia pra criar qualquer alimento a partir do nada. Por sobre toda a Terra correm os nossos cabos, nossos dutos, nossos sentinelas, os olhos de nossos vigias. Temos a tecnologia que nos permite antecipar o mais imprevisível dos imprevistos.

Fui domesticado por minha magia. Estou aprendendo a respirar corretamente.

Continuar lendo

o bom samaritano

Toda vez que vou à Avenida Paulista, me filio a uma ONG diferente.

Nesta última semana, por ocasião de uma visita que fiz a uma loja de artigos religiosos católicos, fui abordado pela patrulha de uma organização ambiental.

Os métodos são absolutamente os mesmos para todos os grupos, não interessa a causa. Eles recrutam jovens que fariam qualquer coisa por uma pequena remuneração, e ensinam a eles técnicas que supõem funcionar. Assim esperam atrair novos contribuintes.

Interpelar pessoas apressadas que andam pela capital não me parece o mais gratificante dos serviços a serem prestados. A coisa começa sempre com uma piada, com alguma observação sobre o modo com que me visto ou ando, o mesmo veredicto sobre o meu chapéu, e que todos julgam estiloso, ou então perguntas inapropriadas sobre como eu faço pra deixar minha barba tão vistosa.

Continuar lendo

todo o plástico que há nos oceanos

Começou com uma pessoa só caminhando em direção ao mar e entrando na água até sumir sob as ondas. Era um funcionário do departamento de trânsito, homem de cabelo calvo, aqueles traços típicos do sul da Índia. A cena se deu na avenida costeira de Mumbai, onde anos antes uma baleia jubarte fora encontrada morta, asfixiada por um emaranhado de fios e plástico. Ainda que tivesse sido testemunhado por uns poucos, aquele gesto de morte vinha dotado de um extremo poder de contaminação. Não demorou para que outras pessoas imitassem o suicida. Em poucos dias o fenômeno se alastrou por todos os litorais do mundo, San Francisco, Rio de Janeiro, Marselha, Sidney,  e no final do mês grandes massas de seres humanos já se tinham afogado nos oceanos.

Continuar lendo

o mestre da mandala secreta

Os ritos da cerimônia denominada A Infinita Destruição e Concepção dos Mundos, já praticada pelos monges budistas tibetanos há mais ou menos seis séculos, ainda se encontram envoltos num manto de mistério e alegoria para a maior parte dos ocidentais.

Tendo se originado na porção oeste do Tibete, os ritos sobreviveram à disputa entre as distintas seitas que conviviam na região, ao final do século XVI, e foram devidamente lapidados pelos seus continuadores, os membros da escola Gelug, e discípulos de Tsongkhapa. Mais tarde, sobreviveram também ao ateísmo do Partido Comunista Chinês, e foram acolhidos no Nepal, onde, desde então, a cerimônia tem acontecido.

Os procedimentos são secretos, e apenas os monges mais graduados estão admitidos na cerimônia. A data é escolhida durante a primavera, e acontece na primeira lua cheia da estação, sendo precedida por um jejum de três dias, durante os quais os participantes permanecem reclusos, sem a autorização de deixarem o monastério.

Continuar lendo