no bambuzal dos boatos

Uma comissão sem nome perambula pelos corredores do Palácio do Planalto. Ninguém sabe quem convocou seus membros. Ninguém sabe de onde veio a ideia. Ninguém sabe a que serve e o que se pretende fazer.

A comissão discutirá a situação do país e fará reuniões deliberativas. A comissão paga hora extra e tem pausa pro cafezinho.

O terno é o uniforme dos canalhas. Os funcionários podem ser corruptos, cretinos, estelionatários, picaretas, o que quer que seja, mas têm sentimentos e sabem se emocionar. O heroísmo é proporcional ao melodrama.

Um dia recebemos uma moção, vinda de um representante de outro ministério. No outro dia noticiaram cortes no orçamento. No instante seguinte, boatos desmentem boatos anteriores. Listas negras, infogramas, quadros de avisos, informes – de repente alguém olhou e viu o tamanho do trabalho que teríamos pela frente, e aí já era tarde. Não dava mais pra desistir.

A comissão ficará responsável pela tarefa de sustentar mentiras e prolongar boatos. O objetivo do grupo é fornecer, ao conjunto público dos cidadãos deste país, evidências empíricas que ajudem a comprovar como verdadeiros os complôs que se sustentam no imaginário popular.

Continuar lendo

Anúncios

bolsonaro

Bolsonaro ouve John Coltrane.

Bolsonaro já brincou de passa-o-anel.

Bolsonaro já fez carinho em gatos.

O deputado Jair Messias Bolsonaro já riu assistindo o Pernalonga.

O Bolsonaro gosta de pimenta.

O Bolsonaro já mediu seu pinto com o de outro homem.

Bolsonaro jogava de volante.

Bolsonaro entra no banho primeiro com os pés e depois com o restante do corpo.

O candidato Jair Bolsonaro faz yoga.

Continuar lendo