Em Negativo

casamento

“Houve um tempo em que deixei crescer a barba, tinha tanta vergonha de ser branco que procurava escurecer-me de qualquer jeito – foi muito antes da guerra. Usava luvas também, a pretexto de frio: e eu sentia mesmo um frio por dentro, só de pensar que me haviam feito branco. O cabelo, esse sempre me ajudou bastante, aos 15 anos já era carapinha, não fosse minha mãe quem era e eu nem sei o que teria pensado: ou então eram as raízes dele que conheciam o meu sentimento e foram muito além do que fui: de qualquer forma um mistério.

Na verdade eu era preto e não branco, e ninguém sabia; nas fotografias de família eu custava a reconhecer-me, procurava sempre por mim e não me encontrava, no negativo era mais fácil mas eram os outros que eram os impostores: não havia solução possível. Isso durou anos, eu sem poder dizer a ninguém para não parecer louco, por muito menos tinha visto muita gente desaparecer da circulação, uns tiques de nada, uma palavra dita no momento não exato: a coisa era pra valer.

Com a barba e os acessórios foi-me fácil, longe de casa, sentir-me um negro bastante razoável, até na entonação se percebia nitidamente que eu recuperava enfim a minha voz, após uma tartamudez de quase vinte anos: mal se notava o sotaque antigo, o falso, as palavras me saíam dentre os dentes com uma facilidade espantosa, de natural tímido que era passei a fazer até discursos no bar, não importa se com o estômago cheio de cerveja e a vista outro tanto. Sentava-me à mesa com os negros e era eu o mais negro de todos, alguns me pareciam mesmo repelentemente brancos, era só raspar-lhes a pele e se poriam logo a falar o francês ou o alemão, tudo menos a língua deles, de que já se haviam até esquecido. Eu me sentia um pé na África e o outro ainda no ar, mas o que estava na África era o africano mesmo, eu o continha a custo dentro do sapato e o seu cheiro me inebriava à distância: punha-se a tamborilar no chão e o seu rito nada tinha a ver com a música da orquestra ou do rádio, nem era propriamente uma música mas um aviso – o tantã ou o atabaque debaixo da mesa. Com o dedo eu coçava os cabelos, os do sexo, principalmente que eram os mais autênticos, e fazia planos terríveis para o extermínio de toda a raça branca, ou pálida como a chamava, o olho etíope refletido no espelho em frente.

Ou porque não me aceitavam como negro ou porque não fossem eles realmente negros, o fato é que eu me encontrava sempre só à hora em que os bares cerravam as suas portas – e, branca ou preta, minha solidão continuava sendo a mesma de antes, o assobio ou o cigarro na boca, a sombra divertindo-se à minha custa na calçada, o peso do céu sobre os ombros. O que eu esperava do negro eu o encontrava em mim e não nos outros negros, ou era eu o falso ou os falsos eram eles, parecia que não compreendiam muito bem a importância do seu papel dentro do mundo, procuravam consciente ou insconcientemente copiar as artimanhas do inimigo em vez de simplesmente matá-lo. Um deles, que tinha até o desplante de usar prince-nez e se fazia passar por professor de qualquer coisa – professor de brancos, sem dúvida, e de ideias brancas – esse tomou-se de verdadeiro ódio por mim ao perceber até onde eu queria chegar com a minha para ele insólita atitude, e nunca mais voltou a pôr os pés onde sabia estarem os meus pés, e sobretudo o meu pé aquele, já não me lembro se o direito ou o esquerdo.

Com o tempo descobri por mim mesmo que eu era um intruso, e não apenas um intruso como um motivo de inquietação – e que o que eles, tanto quanto os brancos, queriam era apenas respirar e copular como se fazia desde o começo do mundo, sem outra preocupação que não a de perpetuar a espécie e a ignomínia da espécie, tal como haviam feito com eles e exatamente porque haviam feito com eles.

Cuspi de lado três vezes, arranquei a barba e fui ser branco de novo entre os brancos – ou preto, pouco importa, uma vez que nunca ninguém deu pela diferença, mesmo quando estou inteiramente nu e com os pêlos todos de fora.”

Campos de Carvalho, Vaca de Nariz Sutil.

Anúncios

Um comentário sobre “Em Negativo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s