todo o plástico que há nos oceanos

Começou com uma pessoa só caminhando em direção ao mar e entrando na água até sumir sob as ondas. Era um funcionário do departamento de trânsito, homem de cabelo calvo, aqueles traços típicos do sul da Índia. A cena se deu na avenida costeira de Mumbai, onde anos antes uma baleia jubarte fora encontrada morta, asfixiada por um emaranhado de fios e plástico. Ainda que tivesse sido testemunhado por uns poucos, aquele gesto de morte vinha dotado de um extremo poder de contaminação. Não demorou para que outras pessoas imitassem o suicida. Em poucos dias o fenômeno se alastrou por todos os litorais do mundo, San Francisco, Rio de Janeiro, Marselha, Sidney,  e no final do mês grandes massas de seres humanos já se tinham afogado nos oceanos.

Continuar lendo

Anúncios