maneiras curiosas de ir à guerra

A guarda surfista do Rei Kamehameha, o Grande

É de se imaginar o entusiasmo com que o Capitão James Cook e os primeiros navegantes europeus observaram a gente do Havaí surfando em suas grandes pranchas de madeira, de quando sua famosa presença no arquipélago, no distante século XVIII.

Seu relato extremamente simpático à atividade é também impregnado de uma certa admiração pelos ares exóticos que a história tratou de conservar na figura desses havaianos antigos. Considerava-se o esporte um pouco arriscado, mas pela animação dos que o praticavam, era impossível não enxergá-lo como um alimento para a alegria, podendo ser até mesmo um tanto relaxante.

A chegada desses exploradores europeus àquelas ilhas, deste modo, coincidia com um momento em que o esporte desfrutava de grande prestígio local. Inúmeras lendas dos grandes feitos surfistas, histórias de heroísmo, amor e traição, já povoavam a imaginação daquela gente há alguns séculos, e também serviam para dar nomes aos lugares onde teriam acontecido.

A história do surfe nos conta que o hábito deve ter nascido entre os povos polinésios pré-históricos, talvez de forma muito tosca, tendo alcançado o status de esporte em Honolulu somente muito tempo depois. Apropriado de vez pela sociedade havaiana, o surfe não deixou de ter também uma função social, adaptando-se à rígida norma dos tabus que regiam a vida daquele povo, onde tudo tinha hora e lugar pra acontecer.

Séculos depois, entre os responsáveis pela apresentação do esporte e pela sua primeira divulgação no mundo, consta o nome de Duke Paoa Kahanamoku, nadador americano, medalhista olímpico, surfista, e ator de cinema.

Mas bem mais escassos são os relatos e menções à guarda surfista do Rei Kamehameha I, O Grande, conhecido por ter unificado as ilhas do arquipélago e modernizado a administração do país. Esses valiosos guerreiros compunham nada menos que a guarda pessoal de elite do rei, e, mais do que isso, eram também os seus sagrados parceiros de surfe. Era na companhia deles que o Rei Kamehameha I saía para surfar, reservando para si e para o seu grupo as mais belas e desertas praias, com as melhores ondas do arquipélago, consagradas pelos kahunas, mestres do surfe e curandeiros.

A lei que separava os estratos sociais era bastante dura no Havaí, e a presença de qualquer plebeu, ou de qualquer pessoa de uma casta inferior, era severamente vetada nas praias escolhidas pelo rei e pela sua guarda, podendo, inclusive, acarretar penosas punições para quem a violasse.

Conta-se que os membros da guarda eram escolhidos a dedo pelo rei, sempre preferindo os mais altos, mais fortes e mais belos. Tendo passado por todos os testes físicos para adentrar este seleto grupo de homens, na última parte do exame o pretendente deveria dar demonstrações de sua perícia no surfe, ao final da qual um grande banquete era desfrutado por todos eles, na companhia das mulheres mais belas do reino.

A especialização da técnica com as pranchas alaia, sem quilha, levou esses guerreiros inclusive a empregarem-na como forma de transporte para os ataques surpresa dirigidos contra os opositores do rei, conferindo a eles daí então uma posição de muito respeito entre as lendas e mitos do esporte, sem que ninguém mais os igualasse em seus feitos.

Inspirados por essa história, um batalhão de fuzileiros navais australianos chegou a utilizar pranchas como um meio de transporte furtivo em alguns combates na Segunda Guerra Mundial, no entanto sem obterem quaisquer sucessos significativos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s