100 perguntas (algumas não tão boas) para os nossos tempos

1. O que acontece a uma pessoa se ela não se interessar por política?

2. Por que gostamos de perder o controle em algumas situações?

3. Qual foi a festa mais divertida já celebrada?

4. Como nasce um vício?

5. Por que tornou-se tão difícil convencer alguém sobre qualquer coisa?

6. Algum dia as religiões desaparecerão?

7. Como se descobre um deus?

8. Qual foi o funeral mais triste em volume de lágrimas?

9. Qual é a melodia mais cantada secretamente?

10. Qual será a primeira palavra inventada por um animal a ser acrescentada em um dicionário?

Continuar lendo

apocalipse e milenarismo

A cristandade (…) passou por uma série de revoluções e em cada uma delas o cristianismo morreu. Morreu muitas vezes e tornou a ressuscitar, pois tinha um Deus que sabia como sair da tumba.

G. K. Chesterton – O Homem Eterno

Quanta novidade há na constatação de que os tempos são extremos? Qualquer teólogo diria: “nenhuma”, e acrescentaria que os tempos já têm andado extremos há muito tempo, sabendo soar nem um pouco alvissareiro nesta também óbvia anunciação.

A verborragia do presente, autorizada pela tecnologia e pelo conhecimento técnico, quer vaticinar um apocalipse por dia. Se retomarmos o sentido etimológico original, do grego, em que apokálypsis é precisamente uma revelação, a visão, parcial ou total, de algum tipo de conhecimento sobre os destinos dos povos e dos reis, sobre o porvir – um porvir cheio de tormentos, mas cujo final seria a redenção, a vitória do Bem sobre o Mal -, então as diferenças com os vaticínios diários que brotam dos nossos mananciais de informação poderia ser encontrada apenas no grau de mistério, os de hoje muito mais vulgares, óbvios e satisfatórios que os de outrora. E, guardadas as devidas proporções, é assim que encontramos o Apocalipse de São João, no Livro das Revelações, o único texto profético do Novo Testamento, misterioso, praticamente insondável.

Continuar lendo